UM RECADO

UM RECADO

“Quando assistires à retirada dos andaimes contempla – é claro – o edifício que surge. Mas pede pelos andaimes, pois é duro servir de suporte à construção, ser necessário à obra, e na hora da festa ser retirado como entulho!” D. Hélder Câmara

O Cristão deve ser como um andaime. É aquele que ajuda a construir, a formar tudo e todos mesmo que não seja o centro da festa. Neste início de semana dos seminários e dia em que celebramos os 156 anos da fundação do Seminário, recordemos e rezemos por todos os “andaimes” esquecidos, não só os que nesta casa construíram mas também por todos os outros “andaimes” que nos formam e formaram. Continuemos a pedir ao Senhor da Messe que continue a mandar mais trabalhadores pois existem ainda muitos “edifícios” por contruir.

Igor Oliveira

5º Ano [continuar a ler]

Oração da Tarde

Oração da Tarde

Hino de Vésperas

O dia vai a declinar

A noite vai chegando calma

Mas não deixeis Senhor

Que se apague a luz da alma

Protegei-nos ó Criador

A nós e também aos nossos irmãos

Que sintamos o pulsar

Das vossas mãos

Só por vossa caridade

Que tudo fizestes do nada

É que amanhã nascerá

O esplendor da madrugada

Do pecado hoje feito

Limpai-nos oh Bom Deus

Que dignamente cantemos

A vossa glória nos céus

Gloria a Vós, Pai de Bondade

E ao Filho o Redentor

Que sois Santíssima Trindade

Com o Espírito de Amor.

  [continuar a ler]

Pára um momento

Pára um momento

Tudo começou há sete anos atrás, depois de ter tirado um momento para estar junto de Deus, pensar sobre mim e sobre meu futuro. Esse momento fez-me dar um pequeno sim que iria mudar minha vida. Agora a poucos dias de dar outro Sim, e sem dúvida um dos sins mais importante para mim, que implicará minha entrega a Cristo, minha entrega ao serviço e minha entrega aos outros, decidi escrever sobre a importância de parar um momento.

Antes de dar esse passo, é necessário voltar a fazer uma paragem e dedicar um momento para desligar-me do mundo, estar perto de Deus e escutar o que Ele tem para me dizer.

Ao longo de nossa vida somos convidados a parar um momento junto de Deus, Ele que é o nosso Deus e Senhor e tem-nos gravado na palma da mão com um amor eterno e sem fim. Estamos cheios de nós próprios e com os ouvidos cheios de barulho externo que nos impede de escutar a voz de Deus. [continuar a ler]

Trindade dos pequenos e graúdos!

Trindade dos pequenos e graúdos!

Era uma vez…

Hoje falaram-me acerca do Deus-Trino. Não entendi. O que é?
– Pensa numa árvore com três ramos. Pensa na mais bonita que já viste!

Fácil. Eu tenho uma no meu jardim! E, por acaso, tem três raminhos!
– Fantástico! Deus é como a árvore que tu admiras no teu jardim! A cada um dos três
ramos, dá-lhes os nomes de Pai, Filho e Espírito Santo. Se bem observares, vês que cada
ramo é independente do outro e cresce de maneira diferente, mas são todos feitos da
mesma substância, a madeira! Todos são ramos de igual modo e cada ramo possui a
mesma importância, embora tenham direções diferentes! [continuar a ler]

Qual o verdadeiro valor da vida humana?

Qual o verdadeiro valor da vida humana?

A vida humana tem vindo a deparar-se com vários atentados contra si mesma ao longo da história. Hoje em dia está na moda a defesa da eutanásia, porém qual o valor da vida humana? Será apenas o valor da utilidade económica? Será o valor das estatísticas da qualidade de vida? Poderá a vida ser avaliada por critérios subjetivos e individuais?

A vida é um dom, algo que é dado ao ser vivo sem este ter merecimento prévio para tal. Ninguém pede para nascer. Então porquê dizer «tenho o direito a morrer» se não fui eu que pedi para nascer? A resposta está na sociedade, onde cada pessoa é vista como um mero membro que pode contribuir para o crescimento da mesma. Quando deixa de ser «útil» a este crescimento, deixa de ter dignidade para viver. [continuar a ler]

Ecce Homo… ecce spes

Ecce Homo… ecce spes

Que cinzel terá esculpido este rosto?

Que engenho terá concebido este olhar tão humano de Deus?

Umas vezes triste… outras reservado…

Quem se atreve a racionalizar o mar de gente que o venera…

Aquele sábado de silêncio ensurdecedor…

Dos gritos viscerais de mães que de joelhos lhe agradecem e pedem… [continuar a ler]