Ver, Conhecer e Acreditar

Ver, Conhecer e Acreditar

Caro leitor,

O texto que hoje lhe proponho é uma análise orante de um pequeno trecho do Evangelho segundo São João, capítulo 1, versículos 35 a 39:

35.Naquele tempo, estava João Batista com dois dos seus discípulos e, 36.vendo Jesus que passava, disse: «Eis o Cordeiro de Deus». 37.Os dois discípulos ouviram-no dizer aquelas palavras e seguiram Jesus. 38.Entretanto, Jesus voltou-se; e, ao ver que O seguiam, disse-lhes: «Que procurais?». Eles responderam: «Rabi (que quer dizer Mestre), onde moras?» 39.Disse-lhes Jesus: «Vinde ver». Eles foram ver onde morava e ficaram com Ele nesse dia. Era por volta das quatro horas da tarde.” 

  [continuar a ler]

Tu tens que dar um pouco mais do que tens

Tu tens que dar um pouco mais do que tens

Começo a minha reflexão com um excerto de uma música muito conhecida, que dá o nome a este texto, e que me pareceu o indicado para este tempo em que a Festa do Natal finda:

«Fica mais rica a alma de quem dá,

Chega mais alto o hino

De quem vive a partilhar.»

            Acabaram-se as luzes, os festejos, as músicas e as explosões de cores. Acabaram-se as celebrações grandes e cheias de tanto e tão ricas. Acabou-se toda aquela «calma» que um simples pacote de açúcar – não lhe retirando o valor – nos trouxe quando o colocamos dentro de um cabaz das inúmeras campanhas de solidariedade que nos bateram à porta e que vieram para trazer um certo descargo de consciência.

A estes cabazes não lhes tiro a importância e até acho que não há melhor maneira de celebrar o Natal do que assim, «partilhando» esta Festa que é de todos e para todos.

Mas, questionemo-nos: e o resto do ano? Será que só existe fome até ao dia de Reis? Será que acabando o Natal, toda esta pobreza desaparecerá? Ou será que a nossa consciência só nos pesa nesta época? Tudo isto me faz parar e reflectir.

Precisamos [continuar a ler]

Moradores da Liberdade

Moradores da Liberdade

Há alguns dias uma amiga enviou-me fotos da sua recente visita aos Campos de Concentração em Auschwitz, que se encontravam banhados por uma leve e pura neve. Disse-me que ali teve a sua grande experiência de liberdade, onde Etty Hillesum foi capaz de evocar um Deus, num céu que atribuiu como casa sua, quando se é capaz de trazer a sua totalidade, como quem sabe que a verdadeira liberdade não pode ser subtraída, por não haver uma geografia própria. Esta liberdade que é como um arco-íris, que surge partindo da posição dos olhos de quem o observa, estando sempre mais além. [continuar a ler]

Seminário, Escola de Vocação

Seminário, Escola de Vocação

O Evangelho diz-nos: “ (…) a messe é grande, mas os trabalhadores são poucos (…)”. Muitas e variadas são as desculpas que se ouvem quando alguém é convidado para trabalhar na messe, a principal é: “não tenho vocação”.

Vocação – palavra sobre o qual nos questionamos quanto ao seu significado. Muitas vezes queremos dar uma definição objetiva do termo. Outras confundimos vocação com sentimento, profissão, vontade, gosto, talento, jeito. Outras vezes ainda, achamos que vocação é expressão do acaso.

Através do profeta Jeremias poderíamos dizer que vocação é o confronto entre a pessoa – com os seus medos e as suas generosidades, o seu poder de resistência, mas também com a sua capacidade de aceitação – e Deus – com a sua majestade e com o seu mistério. Logo parece que não é algo da nossa iniciativa, mas da iniciativa de Deus que vem ao nosso encontro. Contudo, Ele espera sempre pela nossa livre resposta, não nos força a aceita-Lo. Mas quando o aceitamos Ele quer toda a nossa vida, todo o nosso ser. [continuar a ler]

Este é o tempo…

Este é o tempo…

Este é o tempo…

 

Embalado por Ti…

encantado pela Tua voz.

Este é o tempo do abraço,

da transfiguração,

da metamorfose,

o tempo em que

o silêncio inquieta,

o tempo em que o mundo

se torna um paraíso de ofertas…

onde tudo é mais fácil…

mais honroso…

mas onde a fugacidade é

dona dos sonhos.

Este é o tempo de ter assento

na escola do amor.

Guarda-nos, Deus, coração de Pai

com mãos de Mãe.

Quando descermos do Teu colo,

dá-nos a mão. [continuar a ler]

Quem somos?

Quem somos?

Numa resposta curta à nossa pergunta, podemos dizer que somos seres criados à imagem e semelhança de Deus, dotados de liberdade e de inteligência.

Deus criou-nos para dominar e tratar o mundo e relacionar-nos com os outros seres, com seres da nossa espécie, de uma maneira especial, e também relacionar-nos com nosso Criador, ou seja, Deus.

Sem a ligação e a relação com o outro e com Deus nada conseguimos fazer e não nos conseguimos conhecer, pois é através dessa relação que adquirimos aprendizagem e conhecimento. [continuar a ler]