Porquê eu?

Porquê eu?

Ao longo da nossa caminhada, somos experimentados e, muitas vezes, colocados à prova. Na maioria das experiências, nós colocamos sempre a mesma questão: “Porquê eu e não outro?”.

Tudo se torna mais fácil quando deixamos de ser pertinazes e nos deixamos ir na barca. É tempo de acolher o que Ele nos oferece, quer as coisas que nos deixam com um sorriso nos nossos rostos, como também aquelas em que falhamos e guardamos no nosso mundo. Muitas vezes, quando colocamos a questão “Porquê eu e não outro?”, é porque não escutámos, mas, simplesmente, ouvimos. [continuar a ler]

Deus e o silêncio

Deus e o silêncio

Vivemos rodeados de muito ruído. Andamos sempre com pressa. A falta de tempo é uma constante na nossa vida. Vivemos numa época em que impera o materialismo e o comodismo.

Façamos, então, a seguinte pergunta: onde está Deus no meio de tanto barulho e de tanto movimento? [continuar a ler]

Maria Nasceu Para Quê?

Maria Nasceu Para Quê?

Maria, nascida no seio de uma humilde família, foi dada como prémio a Sant’ana e a São Joaquim, como resposta às suas preces. Ela nasceu para que de si nascesse Jesus, nasceu para ser a intercessora da humanidade. Nunca deve ser vista por si só, mas sim como Aquela que nos leva ao Filho, como exemplo a seguir, como sacrário de Deus. [continuar a ler]

Balançar

Balançar

Começo por fazer uma pergunta que justificará o título da minha reflexão: Será que, neste final de ano jubilar, coloquei tudo aquilo que realizei, que deixei por fazer, toda a minha vida na balança? Continuo: A minha vida continuou igual ao que era ou a semente brotou? Estivemos um ano a ouvir a palavra “Misericórdia”, mas julgo, e esta é a minha opinião, que ela não ressoou verdadeiramente nos nossos corações. [continuar a ler]