O Seminário de Angra completa esta quarta-feira, dia 9 de novembro, o seu 160º aniversário, num ano particularmente difícil em que a comunidade está reduzida a 10 alunos e, pelo segundo ano consecutivo não se verificaram entradas de novos alunos.

holdbarhet nespresso kapsler
vinglas boda nova
qatar airways handgepäck gewicht
חוק רמקולים תחת כיפת השמיים
כורסא אגורה
nike tech fleece tapered joggers in blue
dámské jarni kotníkové boty tamaris
best apple watch bands for women
dežna obleka za otroke
spodnje hlače moške
fiitgonline.com

Para o reitor do Seminário, padre Hélder Miranda Alexandre a “crise das vocações é também uma crise de identidade cristã”, e os jovens “têm hoje muitas mais ofertas académicas e profissionais”, porventura “mais atrativas”

“As vocações consagradas exigem uma particular generosidade e desprendimento que não é fácil de assumir. É verdade que outras vidas também, mas estas integram valores que não estão na moda ou dizem pouco aos jovens e famílias de hoje”, disse o padre Hélder Miranda Alexandre, ao sítio Igreja Açores, por ocasião da Semana de Oração pelos Seminários que decorreu entre 30 de outubro e 6 de novembro.

“Os jovens têm hoje muitas mais ofertas académicas e profissionais que exercem um forte apelo e desviam para outras metas, também elas muito meritórias e positivas. Por muito que custe admitir, faltam igualmente mais testemunhos positivos e felizes” afirma o sacerdote na referida entrevista que pode ler aqui.

Cientes de que a maioria católica, “muitas vezes, não passa de estatística”, o momento que afecta os seminários é igual ao que acontece na Igreja em geral: “secularização e diminuição da prática dominical e, por isso, hoje, a referência que antes era passada no meio familiar já se esbateu”, afirma o sacerdote, que é responsável pelo Seminário há 10 anos.

“Vemos assembleias dominicais envelhecidas e pouca presença juvenil, apesar do novo fulgor que poderá advir da JMJ 2023. A crise torna-se profunda e grassa por toda a Europa, acresce a isso, o inverno demográfico que vivemos na Região, que agrava particularmente a nossa situação” desenvolveu.

O Seminário de Angra conta este ano com 10 seminaristas, 3 dos quais a frequentar o sexto ano.

O Seminário Episcopal de Angra foi inaugurado no dia 9 de Novembro de 1862 no Convento de S. Francisco de Angra, passados 328 anos da fundação da Diocese. Dava-se assim cumprimento à norma tridentina e ao desejo do clero quanto à fundação de um Seminário nesta Diocese.

No entanto, já um século antes D. Frei José da Avemaria, bispo de Angra, exigia que “sem a competente certidão de frequência, aproveitamento e capacidade dos pretendentes, não podiam ser admitidos às Ordens, neste bispado…”.

Volvidos 160 anos o Seminário Episcopal de Angra, formou diversas gerações de alunos. E, daqui saíram sete bispos , praticamente todos os sacerdotes açorianos e muitos dos que foram enviados para as missões.

O reconhecimento do trabalho do Seminário foi de resto feito a nível nacional com a atribuição da Insignia da Ordem de Mérito pelo Presidente da República, para além da Medalha de Ouro do Município de Ponta Delgada e do Diploma de Reconhecimento, da Câmara de Angra do Heroísmo, por ocasião do 150º aniversário.

Por outro lado, durante muitos anos foi a principal e única escola de formação superior de centenas de homens, que influenciaram a cultura e a sociedade açorianas. Antes da criação da Universidade dos Açores, esta era a única Instituição de ensino superior do Arquipélago.

À sombra do Seminário nasceu o Instituto Açoriano de Cultura, que promoveu as Semanas de Estudo dos Açores, um dos momentos mais altos de reflexão política, social, cultural e económica dos Açores e alguns dos fundadores da própria Universidade ensinaram no Seminário.

O esforço por uma formação de qualidade constitui, de resto, um dos distintivos desta Instituição.

A reafirmação permanente de que o Seminário é o “coração da diocese” encontrou sempre eco nos diferentes bispos. E, numa semana em que os bispos portugueses debatem a adaptação a Portugal da Ratio Fundamentalis, criada pelo Papa Francisco em 2016, em Angra, o anterior bispo, D. João Lavrador, por decreto instituiu um ciclo formativo obrigatório para os neo-sacerdotes durante os dois anos imediatamente seguintes à ordenação sacerdotal. Esta formação académica, por trimestre letivo, inclui aprofundamento teológico, eclesiológico, litúrgico e pastoral, e acompanhamento espiritual, durante uma semana.

O dia de aniversário vai ser vivido em festa com uma eucaristia ao fim do dia seguida de jantar festivo, com o testemunho do sacerdote mais antigo em funções paroquiais formado pelo Seminário Episcopal.

In Igreja Açores