Tudo começou há sete anos atrás, depois de ter tirado um momento para estar junto de Deus, pensar sobre mim e sobre meu futuro. Esse momento fez-me dar um pequeno sim que iria mudar minha vida. Agora a poucos dias de dar outro Sim, e sem dúvida um dos sins mais importante para mim, que implicará minha entrega a Cristo, minha entrega ao serviço e minha entrega aos outros, decidi escrever sobre a importância de parar um momento.

Antes de dar esse passo, é necessário voltar a fazer uma paragem e dedicar um momento para desligar-me do mundo, estar perto de Deus e escutar o que Ele tem para me dizer.

Ao longo de nossa vida somos convidados a parar um momento junto de Deus, Ele que é o nosso Deus e Senhor e tem-nos gravado na palma da mão com um amor eterno e sem fim. Estamos cheios de nós próprios e com os ouvidos cheios de barulho externo que nos impede de escutar a voz de Deus.

Todos os dias temos muitas decisões a tomar e não as podemos tomar de forma precipitada, antes de as tomar devemos parar, escutar e só depois então agir. Jesus Cristo antes de qualquer ação importante, também retirava-se do meio do povo e subia ao monte para estar mais perto de seu Pai e orava, só depois é que agia. Se formos ver na Sagrada Escritura encontramos vários relatos que falam disso, como por exemplo Lc6, 12, o famoso relato da eleição dos doze: “Naqueles dias, Jesus foi para o monte fazer oração e passou a noite a orar a Deus”.

Em zonas de muito ruido de opiniões, faz falta o silenciar-se e sentir as dores e feridas a serem curadas.

Em toda nossa vida não temos certezas absolutas, surge sempre dúvidas e incertezas: será que estou no caminho certo?; será que é essa a minha verdadeira vocação?; será que vou ser feliz nessa vida?; será esse o projeto que Deus tem para mim?

É importante levantar sempre essas questões, porque mostra que não depende só de nós e como relata a vocação de Jeremias: “Antes de te haver formado no ventre materno, Eu já te conhecia”.

Às várias questões só conseguimos resposta através de uma forma, no silêncio e na oração, pois Deus não nos dá respostas por sms nem por cartas, mas sim fala-nos ao nosso coração no silêncio do nosso quarto e em frente do sacrário.

Não é necessário tirar horas, por vezes arranjamos mil e uma desculpas para não pensar nisso, pois estamos no nosso conforto e temos medo de sair. Se por dia tirássemos pelo menos cinco minutos já bastaria para escutar a voz de Deus.

Para terminar deixo uma frase em forma de apelo do nosso saudoso São João Paulo II: “Não tenhais medo, abri as portas a Cristo!”

Fábio Carvalho

6º Ano