10 a 17 de Novembro de 2019

 Ouvidoria de Capelas

Já é habitual as paróquias de Santa Bárbara e Santo António, Ouvidoria de Capelas, ilha de São Miguel, receberem seminaristas, na Semana dos Seminários. Este ano, tive eu privilégio de ir àquelas comunidades, entre os dias 12 e 17 de Novembro.

O objetivo primordial foi ir ao encontro dos mais jovens e contar-lhes a minha história vocacional. Embora sendo o aluno mais velho do Seminário de Angra, com uma idade avançada para aquilo que é habitual um seminarista ter, o contacto com os mais jovens, quer nas aulas de EMRC, como nas catequeses, assentou no testemunho de que também fui adolescente e as minhas dúvidas na adolescência, se calhar, são as mesmas que os alunos e os catequizandos estão a colocar atualmente. Afinal, a adolescência é a fase propícia às questões existenciais, onde também fazem parte as dúvidas vocacionais. E é tão bom e importante ter dúvidas na adolescência, porque são as dúvidas que nos desinstalam da infantilidade e nos fazem crescer afetivamente e ganhar maturidade.

Jesus chama-nos de diversos modos porque precisa de nós para diversas missões. É importante falar de vocação na escola e na catequese. E falar de vocação vai muito para além de seguir uma vida religiosa, quer como padre ou como freira. A nossa primeira vocação é o dom da vida e somos chamados à vida para sermos felizes. Mas desde o nosso nascimento ao nosso compromisso e realização pessoal, há um caminho a ser descoberto de forma livre. Somos nós os agentes ativos na construção do nosso futuro. Como diz a letra da canção da Sara Tavares “O que posso fazer hoje vou vivê-lo amanhã”. E a grande mensagem que eu pretendo transmitir em todas as Semanas dos Seminários é que Jesus quer fazer parte da nossa vida. Perguntar-Lhe “Que queres de mim? Que queres que eu faça?” é procurar sentido para a nossa vida em consonância com o que Jesus nos fala ao coração.

Sempre que concluo um encontro com os adolescentes e jovens, digo sempre que não estou ali para obrigar ninguém a seguir a vida de padre ou freira. As Semanas dos Seminários servem para despertar o sentido vocacional, gerar desconforto emocional e abanar com a consciência dos jovens que andam à procura de um sentido para a vida. E quem sabe se o click que falta nos jovens de hoje em dia não é Jesus?

Uma novidade que me aconteceu, durante esta semana, foi o encontro com os conselhos pastorais das duas paróquias, onde fui convidado a conferenciar sobre o tema “Pastoral: Ação da Igreja”. Foi um desafio onde tive de aplicar a matéria e os conceitos aprendidos em algumas disciplinas, como Eclesiologia, Pastoral Fundamental, Documentos Conciliares e Direito Canónico. Quando estudo, perguntou-me, por vezes, “para que é que eu preciso de estudar isso?” A resposta encontrei-a neste desafio que o Padre Horácio me incumbiu. Afinal, temos mesmo que estudar certos pormenores porque nunca sabemos quando nos vão “prestar contas” daquilo que aprendemos. LOL

Sem dúvida, o ponto mais alto foi a vigília de oração pelos seminários, na Igreja paroquial de Santa Bárbara, onde estiveram presentes mais de 120 paroquianos das duas comunidades e que contou com a participação do coro da catequese. Foram quase duas horas de adoração, de silêncio, de escuta e de petição por todas as vocações.

Para além dos testemunhos e dos trabalhos desenvolvidos, a Semana dos Seminários também serve para conhecermos as realidades paroquiais, os paroquianos, o dia-a-dia de um pároco, escutarmos conselhos, termos uma noção daquilo que nos espera, enquanto futuros sacerdotes: as coisas boas mas também as dificuldades. Só tenho a agradecer ao Padre Horácio todo o acolhimento e o testemunho do que é ser um grande pároco, um grande professor e um grande louco, porque, como ele próprio afirmou “só os loucos conseguem amar”.

Jorge Sousa

Ouvidoria da Povoação

Fomos enviados para dar a conhecer a nossa Casa à Ouvidoria da Povoação- Ilha de São Miguel. Encaramos esta ida com determinação e com espírito de missão, não só com o intuído de mostrar o que é o Seminário, mas também e sobretudo de ajudarmos aqueles com quem nos encontramos a descobrirem a sua verdadeira vocação. Iniciamos os trabalhos com celebração da Eucaristia, no Faial da Terra, seguida de um momento simples, mas muito belo de adoração ao Santíssimo Sacramento.

Visitamos as escolas da Povoação e de Furnas. Demos também um pequeno testemunho/interpelação ao grupo de jovens de Água Retorta que se prepara para o Crisma. O ponto mais alto desta estadia foi sem dúvida a orientação do Retiro de Ouvidoria para os Crismandos. Foi um momento de encontro muito rico e proveitoso em que apresentamos o tema da “Humanidade de Cristo”. O proveito dos jovens foi notório na seriedade e conteúdo dos trabalhos de grupo que apresentavam. Destacamos o sentido de ser comunidade e de que eles são os garantes da fé no futuro das nossas comunidades, cada vez mais envelhecidas. Foram dias de alegria, encontro e amizade, levando sempre a preocupação de que todos encontrem a vocação à sua felicidade.

Aurélio Sousa e Gonçalo Brum

Ouvidoria de Vila Franca do Campo

A nossa “missão”, realizada na Ouvidoria de Vila Franca do Campo, foi uma experiência muita enriquecedora. Não trouxemos apenas experiências marcantes, mas também carregamos todas aquelas pessoas que nos tocaram de uma maneira especial.

Durante toda a semana foram realizados trabalhos junto das escolas do Concelho de Vila Franca do Campo. Nas aulas de EMRC, o nosso foco principal era trabalhar o tema “A Vocação”, para além de uma pequena apresentação da vida diária do Seminário. Junto das catequeses realizamos trabalhos baseados na partilha da palavra, que tinha como base o Evangelho escolhido para a Semana dos Seminários 2019, e passando por todas as faixas etárias, surgiram também momentos de convívio com os idosos, onde a nossa história vocacional era para eles uma semente de esperança.

No sábado, durante o período noturno, contamos com um grande momento de oração, a Vigília. A Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Piedade encheu-se para pedir e agradecer a Deus por todas as vocações, mas principalmente pelas vocações sacerdotais. Nas eucaristias dominicais das várias paróquias da Ouvidoria, foi nos concedida a oportunidade de partilhar com as diversas assembleias os nossos testemunhos vocacionais.

Agradecemos a Deus esta semana intensa e muito frutuosa, tanto para as comunidades que nos acolheram como para nós que também bebemos dos seus ensinamentos e principalmente do seu espírito de serviço e entrega à Igreja.

André Mota e Leonel Vieira

Ouvidoria de Ponta Delgada

Os trabalhos da semana dos seminários 2019 decorridos na Ouvidoria de Ponta Delgada centraram-se nas paróquias da Relva e Covoada e na Escola Básica e Secundária Domingos Rebelo. Durante a semana visitámos algumas turmas do 3º ciclo na disciplina de EMRC da respetiva escola.

No fim-de-semana realizaram-se dois encontros com as catequeses da infância e da adolescência, e uma vigília de oração na Igreja Paroquial da Relva no sábado à noite. Além disso transmitimos também às comunidades os nossos testemunhos vocacionais nas eucaristias dominicais.

Rui Soares e Sandro Costa

Ouvidoria da Horta

De 10 a 17 de novembro de 2019 aconteceu mais uma Semana dos Seminários. Foi tempo de oração e ação. Este ano nós, Nuno Sousa e João Farias, ambos alunos do 6.º ano, fomos até à Ilha e Ouvidoria do Faial.

Foi um tempo interessantíssimo de encontro e convivência. Num primeiro plano destacávamos a salutar convivência com os Párocos que nos acolheram, o Pe. Fábio, Pe. Marco Luciano, bem como o Pe. Sérgio. De maneira particular foi bastante interessante ver os primeiros passos como pároco do Padre Fábio, ordenado em Junho passado, nas suas três comunidades bastante acolhedoras.

Entre a festa de Santa Cecília e a abertura do Septenário de Santa Catarina, houve tempo para encontros com Agrupamento de Escuteiros, Catequeses e aulas de E.M.R.C. que constituíram agradáveis surpresas, incluindo o dinâmico professor Paulo Freitas. De realçar o bom ambiente que houve na vigília de oração pelos Seminários na Paróquia de Castelo Branco.

Apenas podemos agradecer a estas comunidades, Instituições e Párocos, por este tempo de partilha, de acolhimento que tem outro significado quando nos aproximamos a passos largos de nos ser confiada outras missões.

Nuno Sousa e João Farias

Ouvidoria do Pico

A semana dos seminários é sempre um momento rico, não só para as comunidades que nos recebem mas para a experiência pessoal de quem estuda rumo ao sacerdócio. Um dos seus principais objetivos é dar a conhecer nas escolas, nas celebrações e encontros informais a casa que nos forma, mostrando toda a nossa atividade e a sua finalidade. É através deste contacto com as pessoas de outras comunidades que conhecemos melhor a nossa realidade de ilhas e aprofundamos sobre a vida de sacerdote que também é testemunhada pelos párocos que nos acolhem.

Fui acolhido pelo Pe. João Neves e estive nas comunidades Paroquiais de Matriz das Lajes, Santa Bárbara e Silveira, indo também à Escola Secundária das Lajes do Pico.

Igor Oliveira (6º Ano)

Durante a Semana dos Seminários ’19, incumbiu-me ficar na majestosa ilha do Pico, onde pude não só contemplar a magnificência da criação divina, como pude estar, também, de perto com amigos e futuros irmãos no sacerdócio, se assim Deus quiser, partilhando experiências pastorais muito enriquecedoras. Acolheu-me o Sr. Pe. João Ponte, onde nas suas paróquias de Bandeiras, Criação Velha e Candelária, estive a visitar os grupos de catequese, as irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição (onde saliento a sua imensa simpatia), os escuteiros, onde também dei o meu testemunho vocacional durante as missas.

Também foi uma experiência muito encantadora ter ido às aulas de Educação Moral e Religiosa Católica com o Pe. Zulmiro Sarmento, que me acolheu amigavelmente, bem como a todos os seus alunos: foram dois dias onde fui falar acerca do seminário, da vocação e da minha caminhada ao longo destes sete anos no Seminário. Ainda nesta semana, e como músico que sou, fui celebrar a festa em honra de Santa Cecília, na Matriz da Madalena, a convite do Sr. Ouvidor, Pe. Marco Martinho. Foi um momento de graça.

Aproveito para agradecer, também, a todo o restante Clero do Pico pela receção e acolhimento. Um bem-haja a todos na certeza da minha oração.

Pedro Carvalho (6ºAno)

Durante a semana dos seminários, que decorreu entre os dias 10 a 17 do corrente mês, fui convidado a dar testemunho da minha experiência de fé e do meu percurso vocacional, na ilha do Pico.

Para além da beleza paisagística com que me deparei, encontrei comunidades bastante acolhedoras, na Prainha, Santo Amaro e Ribeirinha, onde estive acompanhado pelo Pe. Luís Dutra, Pároco local, comunidades muito enriquecedoras que nos transmitiram aquilo que são os desafios e as riquezas que nós, futuros pastores, iremos encontrar. Fui também à Escola Secundária de São Roque.

A presença do seminário, nesses meios, é fundamental para que as pessoas tomem consciência que nós existimos e que somos jovens que se querem configurar a Cristo. Desta forma, o nosso testemunho passa, essencialmente, por transmitir que a vocação sacerdotal, tal como todas as outras, é, sem dúvida, um chamamento gratuito de amor que exige de nós uma resposta consciente e que, quando verdadeiramente vivida, nos leva à felicidade e sentido plenos.

Ser Apóstolo de Jesus é desafiante, exigindo de nós uma formação a todos os níveis, a fim de nos prepararmos para a missão que o próprio Deus tem reservada para nós.

Com efeito, todos as nossas opções devem ser tomadas em vista à nossa realização pessoal e em ordem ao bem de todos, confiando sempre no Bom Pastor, que torna possíveis todos os nossos projetos e sonhos. Rezem por nós.

João Silva (5º Ano)

Ouvidoria das Flores

Estivemos presentes nas Eucaristias, onde tivemos a oportunidade de partilhar o nosso testemunho vocacional. Notamos que as comunidades estão muito preocupadas com a nossa formação, no Seminário. Também fomos às aulas de Educação Moral e Religiosa Católica: apresentamos o tema “A Vocação” e também o nosso Seminário

Um dos nossos grandes trabalhos foi o retiro para Acólitos da ouvidoria das Flores. Tivemos como tema “O Ser Acólito” e conhecemos 26 jovens (dos 9 aos 18 anos), na freguesia da Fajãzinha. São jovens extremamente afáveis e extrovertidos, o que nos colocou muito “à vontade” para trabalhar. O culminar do retiro foi a Vigília de oração pelos Seminários 2019, e foi muito positiva.

Voltamos ao Seminário Episcopal de Angra mais ricos e edificados

André Furtado e António Santos