Uma dúzia de peças de arte sacra, pertencentes ao espólio do Seminário Episcopal de Angra, entre alfaias, pinturas, documentos ou paramentaria, integram a mostra organizada por Marta Bretão e que está patente ao público durante os três dias das Jornadas de Teologia promovidas no Seminário.

As peças, quase todas datadas no período compreendido entre os séculos XVII e primeira metade do século XX, resultam de uma inventariação feita pela docente do Seminário e técnica de restauro e conservação de arte sacra

Entre as peças está uma pintura do `Martírio de Santa Catarina de Alexandria´, de André Gonçalves, um Missal Romano em Latim, três conjuntos têxteis e algumas alfaias litúrgicas.

Na abertura das III Jornadas de Teologia do Seminário Episcopal de Angra intituladas “Arte Expressão que transcende” Marta Bretão fez uma breve apresentação do espólio agora tornado público, sublinhando que é “responsabilidade da Igreja, do Estado e da sociedade a preservação do património” o que só se consegue efetivamente “quando há um levantamento sério” do existente e uma “vontade” de o conservar.

“Só se pode preservar o que se conhece” referiu Marta Bretão.