Porque vim para o Seminário?

Porque vim para o Seminário?

Uma pergunta à qual não sei bem responder. Sei apenas que uma música me seduziu e me atraiu até Alguém. Essa música, lentamente, conduziu-me a este lugar, pois, julgo eu, aqui, de forma mais plena, poderei responder ao apelo dessa música.

Mas que música é esta? Que apelo me lança? É tão suave… é leve… dá sentido àquilo que sou e penso, dá forma aos meus projetos. Esta música só pode ter sido criada pelo Compositor de tudo, por Aquele que nos chama a todos e, para todos, tem um projeto particular. Ao que parece, para mim, deu-me este: SEGUI-LO, sem volta a dar, sem reticências, que tantas vezes atrapalham, sem mas, nem porquês; apenas segui-l’O. Ele é a causa desta viagem que agora começo. Abandonei o porto, mas, por vezes, apetece-me voltar e prender a corda de novo, deixar-me ficar… As “asperezas do caminho”, como diz o hino, prendem-me, não me deixam avançar e fazem-me pensar que não será possível chegar à outra Margem. Também não posso deixar que a esperança que tenho de chegar Lá fique fechada para mim, tenho de anunciá-la a todos. É preciso gritar bem alto que há outra Margem, que esta não é aquela [continuar a ler]

Voar (de novo) do ninho

Voar (de novo) do ninho

Quando saímos do nosso ninho pela primeira vez, voamos felizes e determinados, pois esperamos um destino perfeito e acreditamos que estamos prontos para realizar esse voo de vida, contudo, ao lá chegar, percebemos que não estamos tão preparados assim…

Com o passar de quase dois anos desde esse primeiro voo, o ânimo de voltar a casa nas férias vai crescendo, não por querermos fugir e desistir, mas porque percebemos realmente o que faz parte de nós e isso faz-nos viver! [continuar a ler]

Quaresma e Páscoa, Passagens de Vida Nova

Quaresma e Páscoa, Passagens de Vida Nova

A Páscoa é a festa principal e essencial dos cristãos, na qual se comemora o maior mistério da fé: a Ressurreição de Cristo.

Já antes do Cristianismo, a Páscoa era festejada como a festa da “Passagem” ou da “Libertação”, como comemoração da saída do povo Hebreu da escravidão do Egipto.

A alegria da liberdade perpetua-se todas as vezes que se faz memória e se louva as maravilhas que Deus fez naquele Povo, pois não há ambição maior que a liberdade, quando se é prisioneiro de sistemas cativos e de regimes controladores, que impossibilitam toda a forma de realização humana. [continuar a ler]

Os Jovens e a Semana Santa

Os Jovens e a Semana Santa

” Viver a Semana Santa significa entrar cada vez mais na lógica de Deus, na lógica da Cruz, que não é em primeiro lugar a da dor e da morte, mas do amor e do dom de si que dá vida. Significa entrar na lógica do Evangelho.” (Papa Francisco)

Muitas vezes os jovens não percebem o significado da Semana Santa. Limitam-se a cumprir o preceito de participar das celebrações, ritos e procissões, sendo que a maior parte nem isso faz. Não são só dias para descansarmos do estudo, dos trabalhos, da nossa rotina, etc. É um grande retiro espiritual do povo de Deus. [continuar a ler]

Via de Amor

Via de Amor

A caminhada quaresmal deve ser encarada como o trilhar de um encontro com Cristo. O tempo da Quaresma não é nada mais do que o percurso até ao Gólgota, um caminho de conversão, de esforço e persistência, onde toda a fonte de energia é o Amor. Que sentido tem o Gólgota sem a existência do anúncio? Qual a mensagem que nos traz a cruz na ausência de amor?

O caminho do Calvário não tem o seu início no pretório de Pilatos, mas sim no ventre de Maria, pois é no seio materno que Deus começa a manifestar a sua grande prova de amor. A morte do Senhor é o fruto de toda a sua vida. Só se manifesta amor na cruz, porque Cristo teve coragem de amar durante toda a sua vida! É no Calvário que se dá o auge do anúncio do Reino de Deus, da cura do cego de nascença, da ressuscitação de Lázaro, da cura do paralítico de Betsaida, da purificação do leproso, da ressuscitação da filha de Jairo, da multiplicação dos pães, de uma vida inteira dedicada ao serviço dos outros. O Cordeiro de Deus imolado nas mãos dos homens é o sinal mais visível de [continuar a ler]

PARAR

PARAR

Avançamos cada vez mais depressa para a Páscoa do Senhor e encontramo-nos, praticamente, a meio desta caminhada quaresmal, no IV Domingo da Quaresma, que a Igreja evoca como um dos Domingos da Alegria. É um convite à introspeção e a fazermos um “check-up” deste itinerário quaresmal de 2018.

O que já mudei no meu modo de ser comigo e com os outros até agora, ou o que preciso ainda de melhorar ou extinguir para que esta Quaresma tenha frutos na minha vida? Muitas vezes, caímos na relatividade de um simples ritualismo ou de promessas à boca cheia, que são vãs e incompatíveis com o modelo de Jesus Cristo.

«Perdoai e sereis perdoados. (…) a medida que usardes com os outros será usada também convosco.» [continuar a ler]