NOTA EXPLICATIVA DO LOGÓTIPO DA CAMINHADA SINODAL

“A beleza de caminharmos juntos em Cristo” 

 

Num tempo em que tudo parece relativo e em que muitos se consideram detentores da verdade, faz todo o sentido a interpelação que nos fazem com a caminhada sinodal da Diocese de Angra, subordinada ao tema “A Beleza de caminharmos JUNTOS em Cristo”.

O nosso meio (mesmo o eclesial) carateriza-se muitas vezes pelo individualismo, fruto da excessiva consideração do ego como autossuficiência, ou seja, da convicção de que não precisa dos outros.

É verdade que Jesus enviou os Discípulos dois a dois e é verdade que não foram enviados todos juntos para o mesmo sítio, mas o que há a ressalvar é que não os enviou para que cada qual ensinasse a doutrina que achasse melhor, mas sim a verdadeira doutrina, a doutrina que o próprio Ele lhes tinha ensinado com a vida.

Pois bem, não devemos guiar-nos pelas nossas próprias doutrinas, mas viver e ensinar a sã doutrina e assim, todos juntos, alcançar o Reino dos Céus.

É nesse sentido que surge esta caminhada sinodal. Vivemos dispersos geograficamente, mas não temos que viver dispersos eclesialmente. Devemos caminhar juntos e em torno do mesmo trilho: Jesus.

Com a criação do logótipo desta caminhada sinodal, a primeira preocupação foi encontrar algo que fosse transversal a todas as Ilhas – só assim teríamos um símbolo verdadeiramente diocesano – e que ao mesmo tempo se enquadrasse no tema proposto. Algo leve e simples, que não fosse demasiado pesado à vista.

No entanto, foi difícil encontrar qualquer coisa que dissesse algo a todas as ilhas, dada a enorme diversidade cultural que temos nos Açores.

Foi então que surgiu a ideia de partir de uma flor, que quer simbolizar a natureza/beleza natural. Uma flor por duas razões: por ser algo presente em todas as ilhas, e por se tratar de uma espécie que parte sempre de um centro, ou seja, todas as partes estão unidas no mesmo ponto de conversão.

9 Ilhas, 9 pétalas – foi instintivo. E cada qual, logicamente, com a cor que culturalmente lhe é atribuída. Com o pormenor de que nenhuma é 100% opaca e que permite sempre transparecer a anterior e a posterior, marcando assim a igualdade e união entre todas.

9 pétalas, todas iguais, mas todas diferentes e com algo em comum: o caule. O caule é Jesus, na Cruz, mostrando-nos assim qual o caminho a seguir no seu duplo sentido da caminhada horizontal e vertical, relação com Deus e relação com os irmãos, respetivamente.

É deste caule que esperamos que todas as pétalas procurem alimento e vigor, pois só assim estaremos a dar continuidade à Sua missão.

Por fim, e com o intuito de dar algum movimento ao objeto vetorial, a flor foi colocada ligeiramente na diagonal com um ângulo em prespetiva. Trata-se de uma composição de desenho vetorial original, criado nas seguintes ferramentas digitais: Adobe Illustrator e Adobe Photoshop.

Gonçalo  Brum

3º Ano