Bispo de Angra ordena sete diáconos na Catedral diocesana

Bispo de Angra ordena sete diáconos na Catedral diocesana

A Diocese de Angra vai celebrar a ordenação diaconal de seis seminaristas e de um frade carmelita descalço, de origem açoriana, no próximo dia 1 de dezembro às 18h00.

É a primeira vez desde o ano jubilar de 2000 que a Catedral recebe um número tão elevado de ordenações diaconais em simultâneo. Na altura foram ordenados 10 diáconos, dois deles irmãos gémeos.

Os seis seminaristas são alunos do 6º ano do Seminário Episcopal de Angra e são todos da ilha de São Miguel:  dois da ouvidoria de Ponta Delgada- Igor Oliveira (São Roque) e Aurélio Sousa (Sete Cidades)-, dois da ouvidoria das Capelas- Pedro Carvalho (Santa Bárbara) e João farias (Santo António)-, um da ouvidoria da Povoação- Sandro Costa (Furnas)- e outro da Ribeira Grande, Nuno Pacheco de Sousa (Ribeirinha).

Na celebração, que será presidida pelo bispo de Angra, será ainda ordenado diácono Frei Renato da Cruz. O carmelita descalço que professou solenemente no passado dia 14 de dezembro, no Convento Stella Maris , no Porto, é natural da Vila Nova, na Ilha Terceira, onde nasceu a 3 de maio de 1992.
O seu

[continuar a ler]
Testemunhos da Semana dos Seminários

Testemunhos da Semana dos Seminários

10 a 17 de Novembro de 2019

 Ouvidoria de Capelas

Já é habitual as paróquias de Santa Bárbara e Santo António, Ouvidoria de Capelas, ilha de São Miguel, receberem seminaristas, na Semana dos Seminários. Este ano, tive eu privilégio de ir àquelas comunidades, entre os dias 12 e 17 de Novembro.

O objetivo primordial foi ir ao encontro dos mais jovens e contar-lhes a minha história vocacional. Embora sendo o aluno mais velho do Seminário de Angra, com uma idade avançada para aquilo que é habitual um seminarista ter, o contacto com os mais jovens, quer nas aulas de EMRC, como nas catequeses, assentou no testemunho de que também fui adolescente e as minhas dúvidas na adolescência, se calhar, são as mesmas que os alunos e os catequizandos estão a colocar atualmente. Afinal, a adolescência é a fase propícia às questões existenciais, onde também fazem parte as dúvidas vocacionais. E é tão bom e importante ter dúvidas na adolescência, porque são as dúvidas que nos desinstalam da infantilidade e nos fazem crescer afetivamente e ganhar maturidade. [continuar a ler]

O amor tudo vence

O amor tudo vence

O mundo é maravilhoso, cheio de coisas agradáveis e de pessoas fantásticas. Mas, por vezes, a vida pode ser um autêntico cenário de guerra, onde a luta parece ser a única hipótese de salvação. As dificuldades são tantas que parece impossível que as consigamos superar. As crianças pintam o céu de azul, contrastando com um radioso sol amarelo: é assim que elas olham a realidade que as circunda. E ainda bem! É esta alegria, a das crianças, que devemos carregar nos ombros sob a forma de cruz. O Evangelho não é, senão isso: a alegria do amor, que tudo vence! [continuar a ler]

Acorda o desejo que há em ti

Acorda o desejo que há em ti

O ano está repleto de ciclos que se vão repetindo quase por automatismo. Ano após ano, um após o outro, havendo apenas brecha para parcas alterações no decurso dos dias que se propõem.

Num Seminário não é diferente, novembro passa a ter o nome de uma semana que nos vai permitindo fazer uma bela descoberta de lugares e rostos que podem bem ser a nossa próxima casa. A Semana dos Seminários é uma experiência única durante o ano no Seminário, no decurso dos dias de quem se prepara para aquilo que todos os dias lhe é proposto.

Numa casa grande, tal qual como no Seminário, há muitos corredores, mas num destes muitos corredores que a atravessam há uma coletânea de cartazes emoldurados que vão sendo fixados na parede ano após ano e que nos vão guiando no percurso. É de um deles que vos quero falar. Em 1992 para a semana de oração pelas vocações foi criado um cartaz que tem no seu centro um imperativo que nos pode – não raras vezes- provocar-nos certo incómodo: “Deixai-vos seduzir pelo eterno”. Ora, o eterno ésempre diferente daquilo que imaginávamos há um tempo atrás, é como um horizonte que nos guia, capaz

[continuar a ler]