Faleceu o Pe. Caetano Tomás aos 93 anos de idade

Faleceu o Pe. Caetano Tomás aos 93 anos de idade

O Sacerdote era natural das Flores e uma das figuras mais influentes da igreja açoriana na área social

Faleceu esta quinta feira o Pe. Caetano Tomás, depois da sua saúde ter piorado substancialmente em meados de janeiro. Monsenhor Caetano Tomás completaria 94 anos no próximo mês de setembro.

Nascido na ilha das Flores, a 12 de Setembro de 1924, Francisco Caetano Tomás era considerado um homem do mundo.

Monsenhor Caetano Tomás, como era conhecido, completou os seus estudos iniciais no Seminário Episcopal de Angra, na ilha Terceira, tendo de seguida estudado em Roma, de 1947 a 1954, na Pontifícia Universidade Gregoriana, onde se licenciou em Teologia e Filosofia e onde foi ordenado. Fez também alguns cursos de Matemática, Física e Métodos Científicos na Universidade de Roma.

[continuar a ler]
Academia de São Tomás de Aquino retoma actividade e celebra a festa litúrgica do seu patrono no domingo

Academia de São Tomás de Aquino retoma actividade e celebra a festa litúrgica do seu patrono no domingo

Festa é precedida de um tríduo preparatório

No próximo domingo, 28 de janeiro, a Academia de S. Tomás de Aquino do Seminário Episcopal de Angra celebrará a festa do seu Patrono –S. Tomás, com uma missa às 12h00, presidida pelo reitor do Seminário, Pe. Hélder Miranda Alexandre.

A festa é precedida por tríduos preparatórios: os dois primeiros tríduos serão celebrados pelo Conselheiro Espiritual da Academia, Pe. Cipriano Pacheco embora a homilia do segundo tríduo seja feita pelo neo-diácono Nuno Fidalgo, aluno do 6º ano. O 3º tríduo será celebrado pelo Vigário Episcopal para a Formação, Pe. Ângelo Valadão. [continuar a ler]

A Força de um Sim

A Força de um Sim

Ao longo de toda a vida são muitos os sins que dizemos. E que força tem esses sins na nossa vida? Que implicam esses sins?

Segundo o dicionário, dizer sim serve para exprimir afirmação, consentimento, anuência, serve para dizer que aceito.

O primeiro grande sim da vida de cada um foi o sim dado pelos seus pais e padrinhos no baptismo, ao afirmarem perante Deus e a comunidade que estão dispostos a educar os seus filhos na fé, para que, “observando os mandamentos, eles amem a Deus e ao próximo, como Cristo” os ensina. [continuar a ler]

Ver, Conhecer e Acreditar

Ver, Conhecer e Acreditar

Caro leitor,

O texto que hoje lhe proponho é uma análise orante de um pequeno trecho do Evangelho segundo São João, capítulo 1, versículos 35 a 39:

35.Naquele tempo, estava João Batista com dois dos seus discípulos e, 36.vendo Jesus que passava, disse: «Eis o Cordeiro de Deus». 37.Os dois discípulos ouviram-no dizer aquelas palavras e seguiram Jesus. 38.Entretanto, Jesus voltou-se; e, ao ver que O seguiam, disse-lhes: «Que procurais?». Eles responderam: «Rabi (que quer dizer Mestre), onde moras?» 39.Disse-lhes Jesus: «Vinde ver». Eles foram ver onde morava e ficaram com Ele nesse dia. Era por volta das quatro horas da tarde.” 

  [continuar a ler]

Tu tens que dar um pouco mais do que tens

Tu tens que dar um pouco mais do que tens

Começo a minha reflexão com um excerto de uma música muito conhecida, que dá o nome a este texto, e que me pareceu o indicado para este tempo em que a Festa do Natal finda:

«Fica mais rica a alma de quem dá,

Chega mais alto o hino

De quem vive a partilhar.»

            Acabaram-se as luzes, os festejos, as músicas e as explosões de cores. Acabaram-se as celebrações grandes e cheias de tanto e tão ricas. Acabou-se toda aquela «calma» que um simples pacote de açúcar – não lhe retirando o valor – nos trouxe quando o colocamos dentro de um cabaz das inúmeras campanhas de solidariedade que nos bateram à porta e que vieram para trazer um certo descargo de consciência.

A estes cabazes não lhes tiro a importância e até acho que não há melhor maneira de celebrar o Natal do que assim, «partilhando» esta Festa que é de todos e para todos.

Mas, questionemo-nos: e o resto do ano? Será que só existe fome até ao dia de Reis? Será que acabando o Natal, toda esta pobreza desaparecerá? Ou será que a nossa consciência só nos pesa nesta época? Tudo isto me faz parar e reflectir.

Precisamos [continuar a ler]