“O Seminário é um sinal erguido no centro da vida diocesana a despertar a consciência de todos os diocesanos para a bondade e a ternura de Deus que na Sua misericórdia nos chama a viver no Seu amor e a testemunhá-lo no mundo concreto onde vivemos. Esta missão é de todos os cristãos chamados a descobrir a vocação própria de cada um, mas é sobretudo um apelo lançado aos jovens que radicalmente sentem que Jesus Cristo projecta sobre eles um olhar de misericórdia para os enviar às comunidades cristãs para serem dispensadores da misericórdia divina.

O Seminário como comunidade educativa em caminhada está atento á realidade do mundo e tem um contributo insubstituível para a sociedade. Desde logo na formação integral dos seus alunos e na escuta dos sinais dos tempos para responder de modo adequado aos anseios da humanidade de hoje.

 

Faço o apelo a todos os diocesanos para que manifestem o interesse pelo Seminário Maior, apreciem e valorizem o esforço educativo que aí se está a realizar, se empenhem na dinamização vocacional que passará pelas famílias e pelas comunidades cristãs, rendam graças a Deus que na Sua misericórdia nos oferece a alegria de um Seminário dinâmico cuja comunidade se manifesta alegre e feliz e contribuam generosamente para as grandes despesas que acarreta a sua vida”.

 

 

D. João Lavrador

“O mundo da pós-verdade é o mundo filho do medo”, diz Pe Júlio Rocha

Professor de Teologia Moral no Seminário de Angra falou sobre a moral cristã e a pós verdade
O Pe. Júlio Rocha afirmou esta manhã nas Jornadas de Teologia “Cristianismo e Cultura” que vivemos no tempo da pós verdade que mais não é do que um tempo “de medo” assente na mentira disfarçada de verdade.
Na intervenção que proferiu no último dia das Jornadas de Teologia promovidas pelo Seminário Episcopal de Angra, o sacerdote, doutor em Teologia Moral, partiu de uma interpretação do livro 1984 de George Orwell- para falar do “enviesamento ideológico” [continuar a ler]